Como dominar o planejamento de ambientes

Os profissionais de interiores lidam diariamente com os sonhos das pessoas, o sonho de uma reforma geral, de comprar e decorar um apartamento novo ou de montar e decorar o próprio escritório, estúdio, consultório, etc., imprimindo nos ambientes a identidade da pessoa ou da empresa recém criada, conforme a situação.

Cabe ao profissional de interiores cuidar para que estes sonhos não se tornem pesadelos ou frustrações, é aqui que entra o planejamento de ambientes.

O uso de cada espaço, o lugar em que cada objeto será colocado, as áreas de circulação para favorecer o trânsito de pessoas, as tarefas do dia-a-dia, se for uma empresa e até mesmo a imagem que a empresa quer passar, deve ser considerado no planejamento de ambientes.

Por isso o design de interiores é tão essencial, é um processo composto de várias etapas para se chegar a um objetivo, o lugar dos sonhos do nosso cliente.

Podemos dizer que o planejamento de ambientes é a primeira fase do projeto de interiores, é nesta fase que se define o perfil do usuário, elabora-se a setorização da residência ou empresa, monta-se o fluxograma e faz-se a distribuição dos móveis nos setores.

Hoje vamos falar um pouco sobre cada um desses itens que compõem essa primeira fase do projeto de interiores, o processo de planejamento de ambientes, para que você possa entender mais sobre o assunto e realiza-lo da forma mais correta possível nos projetos dos seus clientes.

Perfil do usuário e tipo de moradia

Sabemos que cada pessoa tem suas prioridades e realizam tarefas diferentes em seus cotidianos. Por isso se faz primeiro o planejamento de ambientes para que, na fase do projeto dos ambientes da casa, empresa ou escritório, essas necessidades estejam contempladas de forma que tudo pareça natural.

Todas as residências possuem três áreas principais, as áreas sociais, as áreas domésticas e as áreas íntimas, elas devem ser privilegiadas conforme o morador utiliza cada uma delas, claro que todas sempre devem seguir regras básicas que falaremos mais tarde.

Também é importante planejar o interior da residência conforme seu tamanho e estilo arquitetônico. Casas tendem a ter ambientes maiores e mais amplos permitindo uma decoração diferente de um apartamento que tende a ser menor e geralmente exige mais praticidade, sempre sem deixar a estética de lado.

Para essa etapa é importante realizar um briefing do projeto junto ao cliente. É importante conter nesse resumo do perfil do usuário: o número de pessoas que passarão pelos ambientes, desejos e necessidades pessoais e conjuntas (no caso de famílias ou grupos), prioridades dos usuários e suas expectativas.

Funções do projeto

Interiorando

Projetar e planejar com certeza é muito importante para que tudo saia perfeitamente. O projeto serve como orientador do que será feito na prática, que em alguns casos podem ser mudados durante a execução devido a fatos novos que não estavam previstos no plano das ideias.

O projeto tem como principal função mostrar em detalhes a setorização do imóvel e a disposição dos móveis em cada setor, além disso, ele conta com fluxogramas que vão mostrar por onde as pessoas terão que passar depois da execução concluída. Isso facilita a visualização não só por parte de quem vai executar como também do cliente dono do imóvel.

Nessa etapa também será necessário uma análise física do ambiente que reunirá os dados do ambiente como dimensões, materiais do local, localização de portas e janelas, elementos arquitetônicos como vigas e pilares e onde se encontram os pontos elétricos e hidráulicos.

A partir da reunião do briefing do perfil de usuário com a análise físicas poderá se saber se ainda é necessária alguma informação que ficou indefinida, preenchendo possíveis lacunas que poderão ficar há o início do projeto que é a união das informações técnicas (briefing e análise física) com a criatividade do projetista.

Fluxograma

Em uma casa temos sempre a movimentação das pessoas pelos espaços, isso é conhecido também como circulação. Cada caminho percorrido pelas pessoas são os fluxos. Todos eles baseados nos movimentos feitos pelas pessoas no dia-a-dia da casa.

Essa circulação sempre deve ocorrer de forma simples e prática, para isso o arranjo dos móveis é muito importante. Áreas de maior circulação não devem passar pelas zonas mais quietas, a movimentação não pode nunca interromper atividade como ver TV, ouvir música, conversar e estudar.

planejamento de ambientes fluxograma 2

Além disso, as áreas de circulação devem ser seguras. É importante sempre prever e evitar acidentes. Em uma casa há dois tipos de fluxo: o natural e o forçado.

O fluxo natural é aquele que não possui desvios e ocorre sem problemas. Já o forçado é aquele que temos que desviar o caminho, seja por motivos funcionais como por motivos estéticos. O fluxo forçado é direcionado através de elementos como tapetes, pisos, cor e iluminação.

Mas lembre-se sempre, quanto mais simples e intuitivo for o fluxo, melhor o aproveitamento do espaço.

Setorização de residências

planejamento de ambientes fluxograma (2)

Toda residência pode ter seus ambientes divididos em três categorias, ou setores, que são o social, o íntimo e o de serviço.

Setor social

Abriga basicamente as áreas onde costumamos receber visitas e, em caso de famílias, passar mais tempo juntos. Como principais áreas sociais estão o hall de entrada, a sala de jantar e a sala de estar.

Dependendo do tipo de residência ainda pode haver outros tipos de salas sociais, entre elas estão: o home-theater, o escritório home-office, sala de jogos, lavabo, churrasqueira e varandas, sacadas ou terraços.

Setor íntimo

Esse setor é composto pelos dormitórios, closet e banheiros. Em algumas residências ainda existem a sala de estar íntima que é de uso exclusivo dos moradores da casa e onde não se costuma receber visitas frequentes.

Setor de serviços

É onde se encontram a cozinha, a copa e a lavanderia. Em residências maiores também se pode encontrar outros exemplos de áreas de serviços como Louceiro, despensa, rouparia, adega, bar, depósito, banheiro de serviço, jardim de inverno e sala de ginástica.

Distribuição de móveis no setor social

O setor social é onde as pessoas costumam receber visitas, então este é um setor que costuma mostrar quem é o morador. O hall de entrada é o primeiro local por onde o visitante passa, podendo denunciar a personalidade do morador. Nele é aconselhável poucos objetos para não dificultar a mobilidade, este é um local de passagem para receber o visitante e, em alguns casos, guardar objetos durante as visitas.

A sala de estar é um local multiuso, nela as pessoas convivem com a família e amigos, leem, veem TV e até trabalham. Assim, o profissional deve manter preservadas as linhas de circulação e considerar bem o tamanho e local do mobiliário, objetos decorativos e equipamentos. Além disso a iluminação é importante, pois ser um local tanto para trabalho que exige mais luz quanto para TV que exige menos luz.

distribuição de móveis no setor socialCrédito da imagem: http://www.melbournecontemporarykitchens.com

Hoje, a sala de jantar está em fusão com a sala de estar devido a diminuição dos espaços dos ambientes, assim seu uso passou a ser cotidiano, o que não acontecia antes quando era só usada para dias especiais. Deve-se ficar atento ao espaço para circulação juntamente com o uso das cadeiras, também pode-se usar móveis de apoio como bar de bebidas, cristaleira e aparador.

Muitas residências hoje possuem uma sala exclusiva para uso de TV, DVD e Som conhecida como home-theather. Nesse ambiente é necessário saber o tamanho dos equipamentos que vão definir a distancia do mobiliário, também é importante o suporte elétrico para os equipamentos e utilizar materiais de isolamento acústico.

Com o crescente número de pessoas que trabalham em casa, outra necessidade vem surgindo cada vez mais, a necessidade de um escritório home-office. Ele pode, ou não, estar integrado à sala de estar ou ao quarto, isso dependerá do espaço disponível na casa e do desejo do morador para este espaço.

A sala de jogos pode não ser muito comum, mas ainda há pessoas que as tem em suas casas. É primordial saber o tipo de jogo que acontecerá no local para definir as dimensões dos móveis e equipamentos e, assim, preservar a circulação.

O lavabo é um banheiro reduzido, que possui apenas lavatório e bacia sanitária, como não há o vapor do chuveiro pode-se empregar diversos materiais diferente que não poderiam ser usados em um banheiro comum.

Os apartamentos modernos possuem varandas gourmet, algumas casas também possuem esse tipo de área. São áreas grandes para receber pessoas durante churrascos, assim é importante pensar que, além de ser um local para as pessoas se socializarem, é também é um local tanto para cozinhar, e necessita de balcões e apoio, alguns móveis e utensílios para isso.

Atenção ao setor de serviço

O setor de serviços com certeza é o mais prático da casa. Nele há muita movimentação durante a utilização e, em geral, diversos equipamentos diferentes. A cozinha tem geladeira, fogão com pé ou de embutir, fogão de mesa, fornos e fogões elétricos ou a gás, micro-ondas, lava-louças, freezer, depuradores e coifas.

Cada um desses equipamentos exige respeito a algumas regras para melhor utilização e aumento da vida útil. O mobiliário é a base desses equipamentos e deve ser de fácil limpeza e bastantes resistentes.

cozinha setor de serviçosCrédito da imagem: http://www.markenglisharchitects.com

A copa não é um espaço tão comum hoje em dia, ela seria o equivalente à sala de jantar, mas com a utilização no dia-a-dia. Para ela é necessário cadeiras, mesa, cristaleiras e, comumente, televisão.

A lavanderia é o local onde se lavam e passam as roupas. Então é necessário pensar nos equipamentos necessários pra isso, além de uma boa iluminação tanto a natural, para secagem das peças no varal, quanto a artificial para se trabalhar lá em períodos sem luz natural.

Ainda existem espaços de serviço menos comuns hoje em dia, entre eles o Louceiro, onde se guarda as louças, roupa de mesa e utensílios, a despensa para guardar mantimentos, rouparia local para guardar roupa de cama e banho, adega e bar para guardar bebidas e receber pessoas, depósito que é um local de tamanho grande fora da parte principal da casa para guardar equipamentos de limpeza, ferramentas, entre outros, banheiro de serviço que fica perto da lavanderia ou jardim e serve para atender empregados, jardim de inverso que traz mais luz e verde para dentro do ambiente, e a sala de ginástica onde estão os equipamentos para prática de exercícios físicos.

Mobiliando o setor íntimo

A parte íntima da casa com certeza é a mais aconchegante, onde os moradores tem sua privacidade garantida. O dormitório é o local mais privativo de cada individuo, ele tem que ser projetado conforme o sexo e a idade do usuário e suas utilizações.

Cada tipo de dormitório tem mobiliário e equipamentos diferentes e podem ser para casal, para menino, para menina, para bebês, para adolescentes, para hóspedes, para adultos masculino ou feminino, entre outros.

O closet é uma extensão do quarto onde o usuário guarda suas roupas. Ele está cada vez mais extinto, mas deve ser projetado para ser funcional e a marcenaria pensada para aproveitar ao máximo os espaços.

O banheiro pode atender a uma suíte ou outros dormitórios, e pode ser de uso individual ou coletivo. O banheiro precisa ter local para guardar produtos e equipamentos de higiene, espelhos, tomadas, porta-toalhas e saboneteiras. O mobiliário tem que ser resistente ao vapor de água e para instala-lo deve ser verificar o projeto hidráulico para evitar perfurar canos e causar vazamentos.

Existe ainda a possibilidade de haver em uma casa uma sala de estar íntima, de uso exclusivo dos moradores. Como seu uso pode ser variado o desafio é conciliar as prioridades de todos os que o utilizarão, muitas vezes ao mesmo tempo.

Setorização de ambientes comerciais

O ambiente comercial é muito valorizado e tem um ganho na produtividade quando seus ambientes são bem projetados. Um escritório, por exemplo, tem como principais áreas a entrada, recepção e sala de espera, banheiros e lavabos, escritórios e copas.

As áreas de entrada, recepção e sala de espera devem ser aconchegantes e confortáveis, com boa iluminação para fazer uma transição entre o ambiente externo e o interno. Os banheiros devem priorizar o uso de tecnologia para automatização e economia de água. Os escritórios podem ter diferentes estilos como convencional, planta livre, “novo escritório” ou home-office.

Ainda há outros tipos de ambientes comerciais, como lojas, que devem favorecer o fluxo de pessoas entre os produtos e os hotéis, que é um tipo de comércio extremamente complexo por abrigar diversos tipos diferentes de ambientes desde serviços, quartos, recepção, entretenimento e eventos.

Distribuição de móveis em ambientes comerciais

Hoje em dia, as empresas tem evitado compartimentar os ambientes dos escritórios o mínimo possível, sendo que as salas fechadas ficam quase que exclusivamente restritas à diretoria e às salas de reunião.

Esse novo conceito amplia o contato entre as pessoas no ambiente, fazendo com que interajam mais. Como um ambiente de trabalho exige funcionalidade para aumentar a produtividade existem algumas dicas que devem ser seguidas.

É recomendado o uso de mesas em tons e materiais neutros. Em salas de reunião e de espera pode-se usar cores e materiais diferenciados, já que são ambientes com menor circulação. As cadeiras ergonomicamente corretas melhoram a produtividade e o conforto do colaborador.

Quadros magnéticos e brancos são ótimos para passar recados e avisar sobre reuniões. Livros e revistas dispostos em prateleiras coloridas facilitam na hora de pesquisar e as referências de trabalho, que são objetos usados no dia-a-dia devem estar sempre a mão sobre mesas ou prateleiras ou até dentro de gavetas.

Como você pode ver, planejar os ambientes sabendo qual a função que ele terá, quem irá usá-lo e as expectativas do cliente para esses espaços é parte fundamental da atividade do designer de interiores.

E você pode aprender mais sobre esse assunto, pode estudar o tema num dos cursos mais bem cotados na área, o Curso de Planejamento de Ambientes da arquiteta e designer de interiores Amanda Marques.

Eu fiz um review do curso para que você entenda o que ele traz e porque ele pode ser uma boa oportunidade para você. Se quiser saber mais acesse o review clicando aqui.  

review planejamento de ambientes-botão

Siga a profissão que você ama!

Baixe o seu Guia e receba informações que vão te ajudar a se sair bem no mercado de Design de Interiores!

Deixe um Comentário