Guia completo do gesso na decoração

Se você é um estudante de Design de Interiores, um recém-formado ou alguém interessado em ingressar nessa área, então você precisa conhecer e entender mais sobre gesso, os tipos que existem, onde são usados e como você pode fazer uso dele nos projetos dos seus clientes.

Apresentando o gesso

O gesso é um dos materiais mais usados em obras hoje em dia, ele possui diversas funcionalidades sendo utilizado de diversos modos:

  • em construções;
  • acabamentos de rebocos em tetos;
  • produção de rebaixamento;
  • e divisórias (nesse caso em conjunto com o papelão que vamos falar mais para frente).

Fora da construção civil o gesso ainda é usado em aparelhos ortopédicos, próteses dentárias, confecção de formas e moldes, imobilização e adubo. O gesso também é um ótimo isolante térmico devido a um baixo coeficiente de condutividade térmica.

O gesso é um material mineral produzido a partir da matéria-prima Gipsita. A gipsita é aquecida e depois reduzida a pó. Esse pó é o gesso, e deve ser umedecido com água em volume de um terço do seu próprio peso, formando assim uma massa plástica que se expande e endurece depois de cerca de dez minutos.

A gipsita é bastante abundante em todo o mundo, no Brasil ela é encontrada, principalmente, nos estados do Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí e Pernambuco que são terrenos de origem no período cretáceo de formação marinha.

Mas no Brasil, a utilização de gesso ainda é muito reduzida quando comparado com os maiores produtores do material no mundo que são Estados Unidos, Canadá e União Europeia, principalmente na França e Espanha.

Em geral, o gesso é encontrado na cor branca, mas algumas impurezas podem torna-lo acinzentado, amarelado, rosado ou marrom.

História

Com certeza não é de hoje que o gesso vem sendo empregado em construções, esse é um material conhecido há bastante tempo e é um dos mais antigos materiais de construção que exigem transformação em seu processo de obtenção, ao seu lado estão a cal e o barro.

projeto de gesso casa históricaCrédito da imagem: http://www.houseandgarden.co.uk

Escavações arqueológicas em regiões habitadas por sociedades há milhares de anos, como a Síria e a Turquia, mostraram aos pesquisadores que o gesso é utilizado pelo menos desde 8 mil anos antes de cristo. Ele era utilizado como reboco em paredes e serviam de base para pintura em afrescos decorativos, no preparo do solo e na produção de recipientes.

Escavações em outras regiões, como Jericó, revelam o uso do gesso há seis mil anos. A pirâmide de Quéops é uma das construções mais grandiosas que preservam vestígios do uso do gesso, essa é uma obra datada de 2800 a.C.

Já na era moderna na França, em 1667, o Rei Luis XIV, tornou obrigatório o uso de gesso em todas as construções da França que eram de madeira. Isso devido a um incêndio em Londres um ano ante que destruí dois terços da cidade que era basicamente de madeira.

Assim, em meados do XVIII, o gesso se tornou um material de construção em grande escala, apesar de sua produção ainda ser rudimentar, nessa época a maioria das construções era feita de madeira rebocada com gesso.

Com esse incentivo, em 1768, Lavoisier, um grande cientista francês da época, apresentou um estudo científico sobre o preparo do gesso e seus fenômenos, permitindo que a produção fosse mais compreendida.

Só no século XIX, através de estudos sobre a desidratação da gipsita, que houve uma verdadeira transformação nos equipamentos utilizados na fabricação do gesso, sendo possível ser mais largamente aplicada durante a revolução industrial, resultando nos equipamentos atuais.

Impactos ambientais

A produção do gesso é com certeza um fator a ser levado em conta na hora de escolher um material para o seu projeto, por causa do grande impacto ambiental que envolve a obtenção e calcinação dessa matéria-prima.

O processo de calcinação pelo qual passa a gipsita obtida na região da Bacia do Rio Araripe – a principal produtora nacional – exige elevadas temperaturas que é obtida através da queima de lenha da caatinga.

As calcinadoras da região são as maiores consumidoras dessa lenha, ultrapassando o consumo das siderúrgicas da mesma região.

A falta de planos de reflorestamento pelas calcinadoras tem causado grande devastação.

Outro impacto está ligado aos resíduos produzidos. A combustão gera muitos resíduos que são dispostos de forma inadequada, além disso, a calcinação também libera óxido de enxofre, que quando reage com a água resulta em gases e ácidos criando uma alta possibilidade de chuva ácida na região.

Vantagens do gesso na construção civil

O gesso tem algumas características parecidas com o cimento, por isso se tornou bastante popular na construção civil. Ele é material aglomerante, depois de misturado com água, endurece após um certo tempo, funcionando como uma espécie cola com outros materiais se tornando mais resistente.

O gesso tem algumas conveniências que tornam seu uso vantajoso. Ele é um material fácil para se moldar, sendo muito útil também para decoração, como ornamentos utilizados como acabamentos decorativos.

Como o gesso tem aparência lisa e branca, o acabamento acaba ficando ainda melhor, além de eliminar a necessidade da massa corrida para pinturas como acontecem com paredes de argamassa tradicional.

O gesso tem uma aderência muito boa, o que elimina a necessidade de chapiscos. Além disso, sua aplicação e secagem são muito mais rápidas e fáceis, permitindo que a pintura comece antes e aumentando a produtividade da equipe de construção.

O material possui excelentes propriedades térmicas e acústicas, é um ótimo isolante contra a propagação do fogo em caso de incêndios. Tudo isso torna o gesso um revestimento de custo menor quando comparamos com argamassas convencionais mais a massa corrida. Mas ele depende de disponibilidade local do material e de mão-de-obra especializada.

Desvantagens do Gesso na Construção Civil

Com certeza não existe material perfeito. Todos têm suas características próprias com pontos fortes e fracos, assim, o gesso não foge a essa regra.

Entre suas desvantagens, que limitam suas formas de uso está o risco de se dissolver ao contato com água. Isso impede sua utilização em áreas externas que estão sujeitas às chuvas. Mas ele pode ser usado, e é usado comumente, em áreas internas úmidas, como os banheiros, mas sempre em áreas protegidas de contato direto com a água.

Outro ponto fraco desse material é que ele exige tetos e parede bastante planos para ser usado como revestimento. O gesso em geral pode atingir uma espessura de até 2 centímetros, mas quanto mais espesso, maior o risco de rachaduras, por isso o ideal é uma espessura de 0,5 cm o que exige uma parede ou teto razoavelmente plano.

Para locais menos regulares, pode se aplicar o gesso por cima do emboço, mas isso faz com que o seu uso não se torne tão vantajoso compara com argamassas tradicionais com massa corrida.

O último ponto de desvantagem do gesso é sua baixa resistência a choques. Por causa disso ele não deve ser utilizado em áreas de muito tráfego ou de cargas, como acontece em áreas de circulação de prédios comerciais ou industriais. Seu uso é muito mais propício e indicado em áreas internas residenciais ou de escritórios.

Gesso acartonado (Drywall)

O gesso acartonado, ou também conhecido como Drywall, é um sistema construtivo seco, produzido com rigorosos padrões de qualidade e pronto para uso na obra.

Drywall, vem do inglês wall, parede, e dry, seco, pois não exige o uso de água como no caso do uso de argamassa facilitando o trabalho e reduzindo o volume de resíduos. Em português, gesso acartonado, vem de suas matérias-primas que são o gesso e o papel cartão.

Ambos juntos conferem à placa produzida resistência à compressão e flexão do produto. Esse é um material ideal para a construção de interiores, podendo ser usada para criar paredes inteiramente novas, ou apenas como um revestimento de paredes tradicionais.

Essas placas são montadas em estruturas de perfis de aço zincado, assim dão segurança e fixação ideal, além do zincado proteger os perfis metálicos de corrosão.

intalação de placa drywall

Entre as vantagens desses sistemas estão a velocidade de execução, fácil adaptação a qualquer tipo de estruturas, ganho de área útil (por conta da menor espessura), menor geração de entulho, facilidade de instalação dos sistemas elétricos e hidráulicos, resistência ao fogo, ótimo desempenho térmico e acústico, redução de cargas nas estruturas de fundação devido ao baixo peso das paredes e por último o ótimo acabamento das paredes montadas que estão prontas para receber a pintura.

Decoração com gesso

Como falei anteriormente, o gesso é um material bastante moldável. Por isso, ele é muito utilizado para várias formas de decoração. Com ele pode-se fazer desenhos, curvas e muitas outras coisas que deixam o ambiente mais agradável, mais “clean” e mais moderno.

Uma das utilizações mais comuns do gesso na decoração é o rebaixamento do teto. Esse rebaixamento permite que o ambiente fique mais aconchegante, principalmente quando o pé direito é muito alto, além de poder abrigar iluminação embutida que também colabora pra um ambiente bonito e aconchegante.

projeto de paginação de gessoCrédito da imagem: http://www.myurbanconcepts.com

O gesso também pode ser usado para esconder o trilho da cortina. Muitas pessoas não gostam da aparência do varão da cortina exposto, então criar um acabamento para que o varão fique atrás torna o ambiente mais moderno e serve tanto para a sala quanto para os quartos.

Outra tendência do uso de gesso é criar, nichos, prateleiras e estantes com esse material, substituindo a madeira. Também deixa o ambiente mais clean e muito sofisticado, podendo até criar adornos de gesso nestes móveis.

Dicas para realizar o projeto do seu cliente

Quando for fazer um projeto de gesso é importante contar com algumas regrinhas que facilitam o trabalho, e evitam o retrabalho. A seguir vamos listar 10 dicas do que fazer quando for trabalhar com gesso:

O que fazer

1 – Quando utilizar forro de gesso para distribuir iluminação pelos ambientes, faça o projeto do forro em concordância com o projeto luminotécnico, só assim poderá aproveitar detalhes que valorizam o ambiente;

2 – Antes de instalar o forro de gesso, faça a distribuição da fiação elétrica e, em caso de haver ar-condicionado, instale a tubulação também antes;

3 – Aproveite a utilização do forro de gesso para incluir alguns detalhes e desenhos diferentes, com cortes e molduras, ao invés de usar apenas o gesso liso;

4 – Usar desenhos no forro para delimitar os ambientes, assim é possível separar, por exemplo, o espaço da sala de jantar e de estar de uma forma sutil e elegante;

5 – Para um melhor acabamento, o projeto de forro deverá prever molduras ou tabica (espaço de 2 cm entre a parede e o forro);

6 – Sempre pesquise sobre trabalhos anteriores da empresa ou prestador de serviço a ser contratado;

7 – Averigue se o contratado para realizar o trabalho será, ou não, responsável pela retirada e destinação correta do entulho;

8 – Liberar o espaço de trabalho e forrar o piso com papelão ondulado, além de solicitar ao gesseiro que limpe o local após a execução da obra;

9 – Trabalhar com rebaixo de teto de 15 cm no mínimo, para que se possa utilizar iluminação embutida;

10 – Contratar um bom profissional de pintura, para que o gesso tenha o melhor acabamento possível.

Como já listamos 10 dicas do que fazer quando vamos realizar um projeto com gesso, agora vamos listar 10 dicas do que não fazer:

O que não fazer

1 – Não deixe móveis, objetos e cortinas no local, mesmo que protegidos, uma vez que a aplicação de gesso gera muita sujeira;

2 – Não execute a aplicação do forro antes de pensar na iluminação do ambiente;

3 – Não trabalhar com molduras “meia-cana” (acabamento arredondado entre o teto e a parede), nem todo o ambiente com sancas abertas, pois essas não são mais tendências;

4 – Não usar molduras de gesso muito grandes em ambientes pequenos;

5 – Não fixar lustres pesados diretamente no forro;

6 – Não pendurar grandes quadros ou TV em paredes de drywall que não tenham sido reforçadas;

7 – Não pintar o gesso sem que esteja completamente seco, e sem antes aplicar o fundo especial para gesso;

8 – Não contratar equipes não especializadas, principalmente para trabalhos com forro ou paredes de gesso acartonado (drywall);

9 – O projeto de paginação de gesso deve ser elaborado por um profissional da área de arquitetura ou design de interiores;

10 – A qualidade dos serviços e conhecimento técnico da empresa que fará o trabalho em gesso ou drywall, bem como o cumprimento de prazos estipulados devem ser os diferenciais no momento da escolha ou indicação do profissional de interiores ao seu cliente.

Seguindo essas dicas e utilizando essas informações com certeza a construção ou reforma dos seus clientes vai ficar muito mais bonita com acabamentos em gesso!

Se quiser saber mais sobre o gesso na decoração, clique aqui e leia esse artigo que fala sobre o que é paginação de gesso, tipos de gesso, onde usar e o que você deve fazer para se tornar um profissional especializado em trabalhos com gesso.

button (2)

Siga a profissão que você ama!

Baixe o seu Guia e receba informações que vão te ajudar a se sair bem no mercado de Design de Interiores!

Deixe um Comentário