Iluminação Residencial: o guia completo para você!

Desde a invenção da lâmpada, por Thomas Edison em 1879, as pessoas passaram a necessitar da luz elétrica para viverem com conforto. É difícil imaginar uma casa que não tenha iluminação, e hoje em dia existem vários tipos de lâmpadas que podem distribuir luz e dar um charme especial a qualquer ambiente.

A decoração de uma residência vai muito além das cores das paredes, dos tipos de móveis ou dos objetos escolhidos. A luz influencia diretamente no visual dos cômodos, e escolher as lâmpadas e luminárias certas faz toda a diferença.

curso de iluminação residencial
Para que o profissional de interiores desenvolva um projeto luminotécnico adequado ao ambiente, será necessário:

• Saber a principal função ou uso do ambiente
• Posicionar as lâmpadas e luminárias de acordo com a decoração do mbiente
• Usar as lâmpadas que trarão a funcionalidade desejada ao ambiente

Portanto saber qual a diferença das principais lâmpadas comercializadas é fundamental nesse processo.

Existem 4 tipos mais comuns de lâmpadas: a incandescente , a fluorescente, a LED e a dicróica.

Conhecendo os Tipos de Lâmpadas

Incandescente

É composta de dois filamentos revestidos por um bulbo de vidro. Esses dois “ferrinhos” que vemos interligados dentro da lâmpada são filamentos do elemento químico conhecido como Tungstênio.
Dentro do vidro, temos a presença de um gás inerte misturado com nitrogênio. Quando acendemos a luz, a corrente elétrica que passa por esses ferrinhos aquece, fazendo-os atingir temperaturas de até 3.000 graus centígrados (por isso a lâmpada está sempre quente). Quando os elétrons dessa passagem de calor se encontram com os átomos do Tungstênio, é gerada a luz.

Existem dois tipos de lâmpadas incandescentes: As claras (aquelas transparentes que conseguimos ver os filamentos dentro e que possuem uma iluminação mais forte) e as de formato leitoso (geralmente são brancas e oferecem uma luz mais suave). É o modelo com menos durabilidade e que gasta mais energia.

Fluorescentes

Esse tipo de lâmpada é composta por tubos de vidro revestidos por fósforo. Dentro, temos um gás nobre à baixa pressão. Quando ocorre a passagem de corrente elétrica, esse gás emite radiação ultra violeta, que em contato com o fósforo gera a luz.

Essas lâmpadas geram uma economia de até 80%, além de durarem 20 vezes mais e serem 4 vezes mais eficientes do que as lâmpadas incandescentes. Elas não devem ser descartadas no lixo comum, pois possuem elementos tóxicos que podem contaminar pessoas e animais. O correto é encaminhar para empresas de reciclagem.

Led

Led é uma abrevição de Light Emitting Diode (Diodo Emissor de Luz). Ou seja, trata-se de um componente eletrônico que tem como principal característica a emissão de luz.

As principais vantagens dessa lâmpada são: o melhor efeito visual (variedade de cores), o baixo consumo de energia e a longa duração. Além disso, seu facho de luz é livre de calor e ela não emite radiação infravermelha/ultravioleta. É 100% ecológica e livre de metais pesados. Por ser uma lâmpada com um custo mais elevado, seu uso ainda não se popularizou muito no Brasil.

Dicróica

Esse tipo de lâmpada tem o formato de um bulbo. O facho de luz emitido é branco, direcionado, intenso.

Por ter o formato pequeno, ser intensa na emissão de luz e não alterar a cor dos objetos, ela é indicada como iluminação de destaque  e geralmente não é usada sozinha pois seu ângulo de abertura varia entre 10, 38 e 60 graus, fazendo-se necessário o uso de outras lâmpadas que farão a iluminação uniforme do ambiente.

Como escolher a melhor iluminação para o projeto do seu cliente?

A luz pode influenciar uma casa em vários sentidos. De acordo com a iluminação emitida, as cores dos objetos podem mudar, locais pequenos podem parecer maiores, ambientes podem ficar mais quentes ou frios e etc.

Por exemplo, você já entrou em algum lugar e se sentiu mais calmo ou mais agitado? Com certeza, o tipo de iluminação influenciou nessa percepção.

Uma casa iluminada não é sinônimo de lâmpadas para todos os lados. O segredo é escolher quais são os ambientes que você deseja destacar e direcionar a luz para lá. Por isso, antes de pensar em qual escolha fazer, é importante definir quais são seus objetivos.

A ideia é fazer algo mais aconchegante ou iluminado? Qual é o ambiente com mais movimentação na casa? Quanto pretende-se gastar? Essas são algumas perguntas que devem ser respondidas em um primeiro momento.

Qual é a diferença entre Luz Quente e Luz Fria?

Para ajudar a definir a iluminação de cada cômodo, é preciso distinguir a diferença entre a Luz Quente e a Luz Fria.

Luz quente

É mais forte e tem uma coloração amarela ou avermelhada. Essa temperatura de cor é indicada para locais de descanso ou lazer, como sala de estar, de jantar e os quartos, pois transmite uma sensação aconchegante e estimula o relaxamento.

Luz fria

É mais suave, tem a coloração branca ou azulada e se assemelha com a iluminação natural do dia. Por estimular a atenção e induzir a realização de atividades, é Ideal para locais de atenção ou estudo, como a cozinha, área de serviço ou banheiro.

Tipos de Iluminação

Existem vários tipos de iluminação, que aliadas a uma boa luminária causam efeitos que podem mudar completamente a aparência de um cômodo. São elas:

Iluminação geral

É uma iluminação única em todos os ambientes. Não existe diferença de luz quente ou fria, e nem destaques em nenhum objeto ou cômodo. Causa um efeito mais natural e claro na residência.

iluminação residencialcrédito da imagem: http://www.pepecalderindesign.com

Iluminação direta dirigida

Esse tipo de iluminação serve para destacar algo nos ambientes, predominando em uma determinada direção. É ideal para colocar em cima de mesas, quadros ou qualquer objeto que precisa ser destacado.

Iluminação difusa

Esse tipo de iluminação é resultado das luminárias com vidro ou acrílico (veremos mais sobre o assunto ao longo do texto). Elas espalham a luz dentro dos cômodos, deixando a iluminação do ambiente mais suave e uniforme.

iluminação residencial 2crédito da imagem: http://www.garretcordwerner.com

Iluminação indireta

É um efeito em que a lâmpada fica escondida atrás de um bloqueador. A iluminação bate nesse bloqueio e reflete para o teto ou parede, e é esse reflexo que ilumina o ambiente. O ideal é que a tonalidade do cômodo seja clara, pois paredes escuras não refletem a luz.

iluminação residencial 3crédito da imagem: http://www.photoklik.com

Ela é muito boa para quartos e salas, pois transmite uma sensação aconchegante e intimista. Por ser muito suave, pode causar um pouco de cansaço nos olhos. Nesses casos, é interessante mesclar com outros tipos de iluminação.

Wall washing

Nesse efeito, também chamado de “banho de luz”, as luminárias são direcionadas para uma parede como se fosse uma cascata iluminada. É ideal para destacar quadros e outros objetos, e pode ser feito do teto ou do piso.

iluminação residencial 4crédito da imagem: http://www.kbcdevelopments.com

Up light

Parecido com o efeito wall washing, o up light é utilizado no jardim, para iluminar árvores e elementos vegetais. A lâmpada é instalada no chão e quanto mais próxima estiver da planta, mais alta será a iluminação.

Para ajudar a dar um charme na decoração com o efeito de luz desejado, existem vários tipos de luminárias: Os mais conhecidos são:

Lustre

É uma peça mais elaborada de iluminação, utilizada no teto. Ele agrega muito valor à decoração, e é usado geralmente em cômodos de bastante circulação (sala de estar, sala de jantar, hall de entrada e etc). A dica é não instalar na cozinha, pois a gordura pode impregnar na peça, que é de difícil limpeza.

Antes de escolher um lustre, é importante observar detalhes como o tamanho e o número de lâmpadas, pois isso pode influenciar na temperatura do ambiente (quanto mais lâmpadas, mais calor). É necessário também verificar o material dos soquetes e evitar aqueles que são de plástico, pois a temperatura pode causar o derretimento do objeto.

Paflon

É um tipo de luminária que fica presa ao teto. Geralmente os formatos são redondos ou quadrados. Podem ser usados em qualquer ambiente. Os paflons tem modelos que oferecem iluminação direta e modelos que oferecem iluminação difusa.

paflon

crédito da imagem: Robert Abbey, Inc

Pendente

Como o próprio nome diz, é um tipo de luminária que fica pendurada, oferecendo uma iluminação mais focada, criando um ambiente mais aconchegante e acolhedor. A dica é usar em ambientes como sala de estar ou sobre mesinhas e criados mudos. Essa peça também fica linda na sala de jantar e o ideal é que a distância entre ela e a mesa seja entre 60 e 80 centímetros.

iluminação residencial 5crédito da imagem: http://www.collectedinteriors.com.au

Não é recomendado que o pendente seja instalado em áreas de muita circulação, pois ele pode atrapalhar a locomoção das pessoas.

Arandela

Essa peça é parecida com o Paflon, a diferença é que ela não é instalada no teto, e sim nas paredes. Ela pode ser usada para iluminar quadros ou destacar objetos nos ambientes.

iluminação residencial arandelascrédito da imagem: http://www.studiogsarch.com/

Luminárias de mesa ou de pé

São ideais para cômodos de estudo e escritórios. A luz fria é a mais indicada para esses ambientes.

iluminação residencial luminária de pisocrédito da imagem: http://www.usonahome.com

Lâmpadas LED e a cromoterapia

Uma das vantagens das lâmpadas de LED é a variedade de cores. Elas podem ser utilizadas no tratamento de cromoterapia, que consiste na utilização de cores e luzes para curar doenças e restaurar o equilíbrio físico e emocional.

É possível encontrar na internet kits específicos para essa finalidade. Cada cor age de forma diferente no organismo, trazendo diversos benefícios.

Vermelho: Ativa o sistema circulatório e estimula o sistema nervoso. Pode ativar a sexualidade. É necessário um pouco de cuidado com essa cor, pois pode provocar nervosismo e ansiedade se usada em excesso.

Laranja: Rejuvenesce e melhora o sistema digestivo, além de ser antidepressiva. Influencia o processo de tomar decisões.

Amarelo: Está cor influencia o dinamismo e a capacidade de expressão. Área de atuação: olhos, ouvidos, ossos e tecidos internos.

Verde: Essa cor é relacionada à natureza, tranquilidade, equilíbrio e saúde. Área de atuação: problemas cardíacos, dores de cabeça, insônias, etc.

Azul: É uma cor relaxante, que traz paz, serenidade e promove a meditação. Área de atuação: baixa a pressão arterial e tem função analgésica .

Qualquer um pode fazer um projeto luminotécnico?

Com um pouco de informação e pesquisa é possível aplicar alguns efeitos luminotécnicos em casa, sem a ajuda de um profissional. Basta definir a iluminação desejada e escolher as luminárias e os tipos de lâmpadas necessárias de acordo a frequência de uso.

Mas o ideal é que um profissional de interiores especializado em luminotécnica faça o projeto. Ele está capacitado a realizar o estudo de cada ambiente e sugerir quais são as melhores iluminações de acordo com a necessidade.

Se você é estudante, recém-formado em design de interiores ou arquitetura ou é alguém interessado na área e quer aprender a fazer projetos mais elaborados e profissionais para seus clientes, você pode se capacitar. Mesmo que não haja nenhuma instituição na sua região que lhe ofereça esse curso. Você pode fazer o curso pela internet com certificado válido em todo território nacional e poderá atuar na sua região.

Se quiser saber acesse o artigo em que falo a respeito deste curso aqui: Review do Curso de Iluminação

Siga a profissão que você ama!

Baixe o seu Guia e receba informações que vão te ajudar a se sair bem no mercado de Design de Interiores!

Deixe um Comentário